A História da Villa

A Villa Aymoré, conjunto arquitetônico construído no estilo eclético, este bastante popular na Europa do século XIX, de linhas finas e elegantes.

Localizado em uma alameda cujo nome remete aos de índios tupinambás, os primeiros a ocuparem o morro da Glória. O conjunto é, também, vizinho da Igreja da Glória do Outeiro, um dos mais importantes exemplares do barroco da cidade que percebeu a Baronesa de Sorocaba, irmã da famosa Marquesa de Santos – ambas amantes do Imperador. Diz a lenda que o caminho de pedras que leva da alameda Aymorés até a igreja da Glória era utilizado por D. Pedro I para visitar sua amante sem levantar suspeitas.

Construída entre os anos de 1908 e 1910 como moradia de alto padrão e adquirida em 2010 pela Landmark, a Villa se reintegra à vida urbana como um empreendimento comercial de alto padrão. Mais do que resgatar a Villa Aymoré, trata-se de devolver à cidade uma parte de sua história e cultura.

Arcos da Lapa
Passeio Público
Museu de Arte do Rio
Museu do Amanhã
Outeiro da Glória
Villa Aymoré
Rua da Glória
Praça Paris
Santa Teresa
MAM
Marina da Glória
Aeroporto SDU

Raymond Monvoisin – “Vista do Rio de Janeiro tomada do adro da Igreja de Nossa Senhora da Glória”
Óleo sobre tela, 1847 | Coleção Sérgio Fadel, Rio de Janeiro.

A Villa no Rio Antigo

No ano de 1916 foi construída pelo empreendedor Antonio Mendes Campos, a última casa da Villa Aymoré, a de nº 10, e chamada de Villa Iracema. Ele já havia construído a primeira Villa Aymoré, que deu o nome ao conjunto, e, em seguida, as demais casas com nomes indígenas. Homenageava seu ex-sócio e tio de sua esposa Zulmira e ao movimento indigenista difundido, principalmente, pelo romancista José de Alencar.

– Nireu Oliveira Cavalcanti, autor do livro “Villa Aymoré”, de 2015, Pagina 39

1980 2016

Vídeos feitos na nossa restauração

Nireu Cavalcanti 2:55
Villa Ama Glória 2:10
Patrimônio 1:49
Encontrando o Passado 1:35
Histórias 2:09
Revisitando Décadas Depois 2:13
Moedas e Botões 2:13
Mestre Paulinho 2:01
Arqueologia 2:27